O uso do cinto de segurança é uma opção?

Numa das viagens que fiz este mês uma coisa me chamou muito a atenção: ao abrir a porta do táxi que me levaria até o hotel percebi que no banco de trás não havia cinto de segurança. Pelo jeito estavam todos escondidos embaixo do banco. Então comentei com o taxista sobre o fato e ele rapidamente me respondeu “aqui não precisa não”. Pensei comigo: “que ignorância!”

Entendi que para ele o cinto só é obrigatório ou importante onde há fiscalização e se naquela cidade não havia, então não era necessário usá-lo, como se lá não houvesse a possibilidade de acontecer acidentes. Entrei no táxi e imaginei que pela recomendação “aqui não precisa de cinto” o motorista iria dirigir com cuidado, mas qual foi a minha surpresa? Ele dirigia como um louco, cortando a frente dos outros carros, conduzindo em velocidade incompatível com a via. Olhando para tudo isto comecei a ficar com medo. Se aquele táxi freasse bruscamente ou se ele colidisse inesperadamente, com certeza eu voaria para fora do carro pelo pára-brisa. E, neste caso, a física é exata, a inércia existe e não adianta segurar-se porque o corpo adquire um peso 5 vezes maior numa colisão, impedindo que a pessoa consiga evitar o seu lançamento contra o pára-brisa do carro ou contra o banco da frente. Isto é fato: quem senta no banco de trás também DEVE usar o cinto de segurança.

Um acidente recente acontecido numa rodovia próxima a Curitiba retrata bem isto: um caminhão colidiu com a traseira de um carro de passeio. A única pessoa que foi lançada para fora do carro morreu, sentava no banco de trás e não usava o cinto. A outra passageira que estava ao seu lado e usava o cinto, bem como o motorista e passageiro da frente, sobreviveram.

Ao usar o cinto, as chances de sobrevivência num acidente são muito maiores, por este motivo é que o Código de Trânsito Brasileiro determina, em seu art. 65 que é “obrigatório o uso do cinto de segurança para condutores e passageiros em todas as vias do território nacional” e o art. 167 determina como infração grave, penalizando com multa de R$ 127,69 se o condutor ou passageiros não usarem o cinto.

VALE A PENA LEMBRAR: Use o cinto não porque o “guarda” vai multar, ou por causa da fiscalização, mas porque você tem consciência de que ele fará a diferença entre a vida e a morte num acidente de trânsito.

Aguardo seu comentário e até o próximo blog!

9 respostas para “O uso do cinto de segurança é uma opção?”

  1. Evaldo Silva escreveu:

    Tudo começou errado, quando a criança entra no carro e não quer usar o cinto, o que é que os pais falam pra convencer a criança?
    Ponha o cinto senão o guarda prende ou multa.
    Essa criança vai ser esse taxista quando crescer.
    Não adianta querer mudar os Hábitos dos adultos, que de tão acostumados a fazer tudo errado, não vão mudar seus hábitos porque a lei determina.
    Outro dia neste blog, o assunto era sobre a cadeirinha pra criança, tinha o relato de um pai que dizia que seu filho desde pequeno usava a cadeirinha com o cinto, e hoje depois de alguns anos, ele entrava no carro e cobrava dos adultos que colocassem também o cinto.
    Por isso é que acho que EDUCAÇÃO PARA O TRANSITO deveria ser matéria curricular em todas as escolas, desde a pré-escola, pra quando essas gerações chegarem a fase adulta, possamos ter um trânsito melhor.

  2. Êrica Nickel escreveu:

    Olá Evaldo
    Acredito que a mudança de comportamento no adulto exige um pouco mais de esforço e uma combinação de educação, fiscalização e punição. Como sabemos que as duas últimas estão bem falhas no dia-a-dia do trânsito, acabamos nos desestimulando, ficando desesperançosos. Mas vamos continuar reivindicando e fazendo a nossa parte para que as coisas melhorem, mesmo que demore. Por iisso é importante discutirmos e reforçarmos, por exemplo,o uso do cinto por todos os ocupantes de um veículo.
    Como tenho acompanhado os assuntos relativos à educação de trânsito posso dizer que muita coisa está acontecendo nas escolas no Brasil todo em relação ás crianças. Ainda é pouco, mas toda mudança sempre tem um começo, o primeiro passo.

    Obrigada por participar.

  3. Evaldo Silva escreveu:

    Olá Érica.
    Alguma coisa está sendo feita realmente, ainda estamos engatinhando em relação a isso, mas já é alguma coisa.
    Outro dia, fui na Prefeitura de minha cidade, fica no Sul de Minas, e é bem pequena, cerca de 14.000 habitantes. Perguntei a Secretária de Educação sobre o conteúdo que era ministrado sobre Educação no Trânsito, e fui informado que era ministrado apenas superficialmente na 3ª e 4ª séries, pois não existe obrigação em passar essa matéria.
    Mas como falei, já é alguma coisa. Tomara que futuramente isso mude, e seja uma matéria curricular pra todas as séries.
    Um abraço.

  4. Êrica Nickel escreveu:

    Olá Evaldo

    Coloquei em seu e-mail algumas informações sobre a educação de trânsito em Minas Gerais, Uma forma de introduzir o tema trânsito na sua cidade é por meio das escolas, além dos CFC’s é claro.
    Quem sabe sensibilizando os diretores, que poderiam fazer uma solicitação à Secretaria de Educação. A partir daí buscar a metodologia adequada e começar o trabalho.
    Muitos projetos acontecem assim, com a iniciativa de pessoas comprometidas como você.

    Continue participando.

    Êrica

  5. Samuel Tres Rios escreveu:

    Código de Trânsito Brasileiro determina, em seu art. 65 que é “obrigatório o uso do cinto de segurança para condutores e passageiros em todas as vias do território nacional” e o art. 167 determina como infração grave, penalizando com multa de R$ 127,69 se o condutor ou passageiros não usarem o cinto.

    Há os que abusam da opção conforto, assim como os que esquecem da obrigação “segurança”.

    Terá sido num ônibus esse acontecido ?

  6. Denys Borguete escreveu:

    Olá, amigo…
    Eu sou estudante de jornalismo
    e escrevo para três veículos online, atualmente.
    Tenho uma pauta sobre o uso de cinto de segurança
    que é negligenciado pelas pessoas. Pesquisando alguma coisa
    na net, achei esse seu post.

    A minha pergunta é… se você é alguma autoridade de trânsito –
    policial, delegado, trabalha em algum setor como Ciretran – essas coisas?
    Se a resposta for sim… poderia me ajudar numa entrevista
    sobre o assunto? O tema é muito importante e merece mais coscientização da sociedade. Esse é o meu trabalho.

    Se puder… mande-me um e-mail me dando resposta positiva ou negativa, por favor.

    Obrigado

  7. Ricardo luis bueno escreveu:

    Não sei se o caminho é por aqui ,mas eu queria que alguém me ajudasse a entender um pouco melhpor essa lei sobre o sinto de segurança equipamente que eu já uso antes da lei ser vigorada ,só não consigo entender como que um agente policial pode autuar um determinado veículo em movimento em plena rodovia a 90km por hora ,como que ele pode ver se o passageiro está de sinto ou não ,e eu entro com recursso e o mesmo é indefirido que lei é essa, gostaria que algué me ajudasse a entender ,será que realmente terei que pagar essa multa.

  8. Carlos Cesar escreveu:

    Usar o cinto de segurança é fundamental, tanto para o condutor como pelo passageiro na frente ou no banco traseiro.Porém é uma injustiça muito grande que o condutor seja penalizado se o guarda para o veiculo e um dos passageiros de trás não está com o cinto sendo que no inicio da viagem foi avisado e o mesmo colocou , vindo a tirar no trajeto e pouco antes do guarda parar o carro, e o motorista estando certo que todos estavam usando o cinto tem uma surpresa desagradavel ao ouvir o guarda lhe chamar a atenção e já tirar o talão de multa e autuando o motorista, que muitas vezes como no meu caso depende da habilitação para trabalhar.QUANDO SERÁ QUE VÃO ENCHERGAR ISSO?

  9. Anyara escreveu:

    Muito bom esse assunto, pq muitas pessoas nao usam o cinto de segura, e por causa disso sofrem assidentes e até morrem… Gostei muito!!

Deixe uma resposta