Falta de Respeito no Trânsito. Vale a Pena Discutir?

Quando comecei a pensar sobre o que escrever no Blog, confesso que veio vários assuntos, mas nenhum que me chamasse tanto a atenção. Então resolvi assistir ao Jornal Bom Dia Brasil, e eis que o assunto surge como uma inspiração. “Discussão de Trânsito na Via Dutra revela falta de respeito entre motoristas”.

Não me conformo que ainda existem pessoas com esse tipo de comportamento. Para mim é uma tremenda falta de respeito com o outro. Onde está o controle emocional? Será que só os problemas ou vontades individuais contam e devem ser respeitados? Podemos, para tanto, citar diversos fatores que podem alterar o comportamento humano no trânsito.

Precisamos pensar que ninguém está sozinho e as leis não foram feitas apenas para os outros, mas para cada um de nós. E que grande parte dos problemas de relacionamento humano no trânsito ocorre devido a uma série de fatores como estes:
• Egoísmo, que nada mais é que a falta de pensar em conjunto, onde só a própria pessoa é que conta e os outros não interessam.
• Falta de controle emocional, explosão súbita de raiva, e às vezes até de agressividade, por motivos irrelevantes.
• Falta de domínio aos impulsos indesejáveis, como dizer palavrões, fazer gestos obscenos, achar-se dono da rua.
• E por último, esse que tenho comentado em algumas publicações que é o descaso às normas e regulamentações, como se a legislação de trânsito fosse feita apenas para os outros e não para nós.

Vocês já devem ter se visto em situações como essas citadas acima, não é mesmo? Então eu recomendo a todos que reflitam sobre os seus comportamentos e analisem se vale a pena “agredir” outra pessoa só porque ela demorou um pouco para sair quando o sinal abriu, fez alguma “barbeiragem” sem conseqüências ou qualquer outra situação pequena que lhe deixa fora de controle.

Gente! O trânsito não foi feito para brigar e sim para circularmos livremente, sem receio de encontrar um louco jogando “pedras” em você.

Aguardo seus comentários.
Abraços e até a próxima publicação.

10 respostas para “Falta de Respeito no Trânsito. Vale a Pena Discutir?”

  1. Fernando Pedrosa escreveu:

    EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO
    CAMINHO PARA REDUZIR A VIOLÊNCIA NO ASFALTO

    Fernando Pedrosa *

    A falta de educação de trânsito e a conseqüente violência que isso gera, já é uma preocupação mundial. Se a falta de educação leva ao subdesenvolvimento e mata a longo prazo, a falta de educação no trânsito é a prova viva desse desenvolvimento que mata de imediato.

    A educação é a principal ferramenta para chegarmos à solução para os problemas da extrema violência do trânsito brasileiro. Apesar de toda a moderna tecnologia empregada no controle das infrações e da possibilidade da presença inesperada de um agente de fiscalização com o seu arsenal de advertências e punições (guardas, pardais, semáforos, radares barreiras eletrônicas e multas), só um motorista consciente e responsável irá, independente de qualquer ameaça, apresentar um comportamento civilizado no trânsito.
    Além desse comportamento condenável e até criminoso, falta ainda ao motorista brasileiro a prática cotidiana da cooperação e da gentileza que, no trânsito, resolveriam questões de relacionamento que a melhor engenharia teria dificuldade em resolver.
    A nossa educação está carente de princípios e valores morais e éticos bem definidos. É na primeira infância que a criança forma os conceitos do bem e do mal, do certo e do errado. Quando os pais não deixam essas questões claras para os filhos, a formação desses conceitos fica prejudicada. Na estrada com a família, por exemplo, quando ultrapassamos outro veículo numa curva sob faixa contínua ou dirigimos em velocidade sempre superior à permitida estaremos passando de uma maneira muito forte e clara para nossos filhos que estão ainda em processo de formação de caráter, que mentir e enganar são valores que praticamos sem constrangimento.
    Nós definimos nossos valores mais pelos nossos atos e exemplos do que pelas nossas palavras e sugestões. Esses comportamentos inadequados, aprendidos na infância, vão tomando dimensões maiores na adolescência, vão se enriquecendo com a força do grupo e terminam nesse “show de agressões” a que hoje assistimos estarrecidos em nossa sociedade.
    Não existe falta de educação no trânsito. O que existe é falta de educação mesmo. O trânsito assim reflete o desrespeito ao próximo, a competitividade exacerbada e inconseqüente e sobretudo a prática costumeira de sempre levar vantagem.
    Podemos comparar o trânsito a arena onde os romanos antigos se divertiam de forma sádica. Ao vestimos nossa armadura – o carro – nós nos tornamos poderosos, imbatíveis quase imortais. Um outro condutor e até mesmo o indefeso pedestre, são os nossos adversários que devemos abater violentamente e sem piedade. É este o comportamento geral que, inconscientemente, envolve o motorista imprudente e agressivo quando.
    E de quem é, afinal, a responsabilidade pela educação para o trânsito?
    Das autoridades de trânsito, dos Centros de Formação de Condutores e dos Agentes de Trânsito?
    No nosso entender é de toda a sociedade que deve estar comprometida com a cidadania e a qualidade de vida em busca de um trânsito civilizado e sem violência

  2. Juarez Dantas escreveu:

    Caro Fernando vc explanou sobre o assunto de maneira tão cabal, que no momento nada mais tenho a comentar. Parabéns.

  3. Ana Cristina Maier escreveu:

    Olá Fernando.

    Concordo com o Juarez, você soube expressar muito bem a questão da Educação de Trânsito no Brasil. É de pessoas como vocês que participam dessas discussões que enriquecem e nos motivam a continuar lutando para um trânsito bem melhor.
    Parabéns pelo comentário. Continue participando.

    Abraços.

  4. sueli escreveu:

    Ola, Fernando. voce esta certo em tudo que escreveu, so gostaria de comentar ,acho que cidadania e um dever de todos e a educaçao deveria começar em casa,acho tambem que se uma pessoa tiver um pouco de boa vontade , poderia passar para as crianças e adolecentes algum valor de vida,assim como os voluntarios fazem,em todas a areas, no meu caso, foco os adolecentes , levando em escolas ,palestras sobre os perigos de direçao x alcool, pois nossos adolecentes , em media com 12 anos ja estao bebendo e antes dos 18 estao dirigindo, e ai matam ou morrem sem ter tido chance de se formar um condutor. acredito que com as palestras que eu faço,eu estou levando um pouquinho de educaçao,valor de vida e amor para nossas crianças. bjssss

  5. Pedro escreveu:

    respeito no transito é cidadania

  6. Mariia Eduarda escreveu:

    gostei achei ótimo acho que todos devem prestar atenção nisso

  7. Edson sb escreveu:

    Amigo a questão é

    Se um motorista joga uma carreta e te fecha com intenção de matar sua familia você tem que pegar um cara desses entrar na frente da carreta emeter esporro no cara para ele nunda mais fazer isso !

    SE LIGA

    SOU CONTRA VIOLENCIA POREM NÃO SOU OTARIO PARA DEIXAR BAIXO CERTAS COISAS

  8. José escreveu:

    ACREDITO EM UM TRÂNSITO MAIS EFICIENTE E MUITO MAIS TRANQUILO, SEM ESSA LOUCURA QUE SE VÊ HOJE NO BRASIL. O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE ISSO ACONTEÇA? RECICLAR, ORIENTAR EDUCAR E REEDUCAR OS MOTORISTAS NO TRÂNSITO. COM A PARTICIPAÇÃO DAS AUTORIDADES E DA POPULAÇÃO. ALÉM DA CONSCIENTIZAÇÃO FAZER VALER OS DIREITOS E DEVERES COM PUNIÇÕES MAIS SEVERAS, MAS DEPOIS DE TRABALHO INTENSIVO E CONSTANTE, NUNCA PODERÁ PARAR PARA QUE NÃO CAIA NO ESQUECIMENTO. LEIS FORAM FEITAS PARA SEREM OBEDECIDAS, VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA…!

  9. VANESSA PANTERA escreveu:

    REALMENTE O RELACIONAMENTO HUMANO NO TRÂNSITO HOJE EM DIA ESTÁ PRECÁRIO TEMOS QUE MUDA ISSO SÓ NÃO PODEMOS , VAMOS TODOS JUNTOS LUTAR PARA O TRÂNSITO MAIS TRANQUILO E SEM ACIDENTES .

  10. vanessa escreveu:

    obrigadaa, mas realmente precisava saber outra coisa:))

Deixe uma resposta